Presidente do Afeganistão teria saído do país com R$ 900 milhões, afirma jornal

Ele teria seguido para o Tadjiquistão com a quantia dentro de um helicóptero

O presidente deposto do Afeganistão, Ashraf Ghani, de 72 anos, deixou o país com uma grande quantia em dinheiro na noite do último domingo (15). De acordo com o jornal “Metro”, Ghani levou US$ 169 milhões, o equivalente a R$ 900 milhões. A quantia foi transportada em seu helicóptero, que seguiu para o Tadjiquistão, país que faz fronteira com o Afeganistão.

No facebook, ele revelou que as forças do Talibã se aproximavam de Cabul, capital do país, e que queria evitar derramamento de sangue. O país que fica ao centro da Ásia foi dominado pelos extremistas ainda no final de semana.

Leia também:

Por questões humanitárias, Ghani ganhou asilo em Dubai, nos Emirados Árabes Unidos.

Ele, que é economista e antropólogo, prometeu selar a paz com o Talibã durante campanha eleitoral. Mas, ao assumir o posto, foi visto por críticos como arrogante.

Após invasão das forças dos EUA, Ghani se tornou um dos principais assessores do primeiro presidente, Hamid Karzai. Ele já foi funcionário do Banco Mundial e conselheiro da ONU.

Chegou a se tornar ministro das Finanças e a estabelecer uma nova moeda. Também mudou o sistema tributário e pediu que afegãos voltassem ao país. Em setembro de 2014, Ghani se tornou presidente.

Talibã

Após tropas dos EUA saírem do Afeganistão, o grupo extremista voltou ao país. Os soldados americanos ocuparam o local devido ao atentado ocorrido em 11 de setembro de 2001, em Nova York e Washington. Eles permaneceram no Afeganistão durante quase 20 anos.

 

Foto: Reprodução/Pixabay

 

policial