Startup Avulta atua na contratação profissional inclusiva

Franqueadora da marca Avulta, a Startup Winé associada ao grupo FCJ Venture Builder – a maior rede do gênero da América Latina

Startup Avulta é exemplo de empreendimento maduro, que se apresenta como a maior rede de inclusão e desenvolvimento profissional em modelo ganha-ganha do Brasil. Atua em um segmento de alta relevância social, que historicamente sempre enfrentou o preconceito e a exclusão.

Avulta é uma solução em Neuropsicologia e Tecnologia para promover o match profissional entre pessoas com deficiência e empresas. Startup surgiu em Belo Horizonte (MG) para lidar, com recursos da ciência e da tecnologia, com a contratação profissional inclusiva.

Por meio da investigação de habilidades cognitivas em prol da produtividade, a metodologia Avulta ajuda a derrubar a barreira do preconceito e estigma que a palavra “deficiência” traz em si. Sabe-se que nenhum ser humano é habilidoso ou deficiente por completo. Ao conhecer novos talentos, conecta empresas a candidatos identificados como pessoa com deficiência (PcD).

A Avulta acompanha e garante o suporte necessário para seleção, contratação, desenvolvimento, produtividade e estabilidade do profissional indicado para a empresa. Por meio do sistema, todas as partes envolvidas podem acompanhar o processo, que é inteiramente guiado pela potencialidade cognitiva única de cada pessoa.

Na Rede Avulta, cada contratação de pessoa com diversidade funcional gera uma bonificação em dinheiro ou em voucher para os participantes. Do ponto de vista do empreendedorismo, a startup Avulta atua nos mercados de Medicina e Saúde; Medtech, RH e Gestão de Pessoas. Representa uma solução que vem ao encontro do interesse de organizações B2B (Business to Business), B2C (Business to Consumer) e B2E (Business to Employee).

Mercado e Legislação

Segundo Jhansen Herrero, Diretor Nacional de Franquia da Startup Win, “há no Brasil 45 milhões de PCD (Pessoas Com Deficiência) ou 24% da população. Desse contingente, apenas 1% trabalha formalmente. Em 2017, havia 724 mil vagas garantidas pelo sistema de cotas. No entanto, 370 mil delas não foram preenchidas”.

Cabe lembrar que a Lei de Cotas brasileira (Lei nº 8.213/91) determina disponibilidade de 2% a 5% de vagas a PCDs, em empresas a partir de 100 funcionários. Por conta do descumprimento da Lei, as empresas desembolsaram R$142 milhões em multas, no 1º semestre de 2017.

O CEO da Startup Win, André Justino, considera que apostar no potencial das startups é muito recomendável, em tempos tão conturbados. “Startup é uma empresa jovem com um modelo de negócios repetível e escalável, em um cenário de incertezas e soluções a serem desenvolvidas”, conclui Justino.

 

 

%d blogueiros gostam disto: