Vale quer construir muro de contenção para evitar desabastecimento de água em BH

Assim como em Barão de Cocais, na região Central de Minas, a Vale pretende construir outro muro de contenção de rejeitos a 11 quilômetros abaixo das barragens Forquilha I e III, localizadas na Mina de Fábrica, em Ouro Preto.

A proposta da mineradora foi apresentada a vereadores de Belo Horizonte nesta terça-feira (28) durante visita técnica da CPI instaurada na Câmara Municipal de Belo Horizonte (CMBH). A CPI tem como objetivo apurar os riscos de desabastecimento de água na capital em caso de um novo rompimento de barragem.

As estruturas de Forquilha I e III, juntas, têm mais de 35 milhões de metros cúbicos de rejeitos e ambas são à montante, mesmo método de construção que causou mortes em Brumadinho e Mariana. Em caso de rompimento, os rejeitos atingiriam o Rio das Velhas e, consequentemente, a estação de captação de Bela Fama, responsável por 51% do abastecimento de água da capital.

A estrutura para conter os rejeitos terá 70 metros de altura e será instalada a uma distância que dê tempo para que os trabalhadores saiam do local em caso de rompimento das barragens. Neste caso, o período seria de 40 minutos até que a lama atingisse o muro.

Apresentação da estrutura da contenção (Reprodução/Whatsapp)
Apresentação da estrutura da contenção (Reprodução/Whatsapp)
Apresentação do muro feita aos vereadores (Reprodução/Whatsapp)
Apresentação do muro feita aos vereadores (Reprodução/Whatsapp)

A previsão apresentada aos vereadores é de que a construção do muro comece no ano que vem. Contatada, a assessoria da Vale confirmou o projeto e disse que ainda está em fase de sondagem para a construção. A empresa também apresentou o projeto de descomissionamento da barragem, ou seja, a descaracterização da estrutura, que deve durar três anos.

“Por enquanto, vamos viver com esse revólver na cabeça por esses três anos até que a situação seja resolvida. Nosso papel é continuar fiscalizando e evitar que um novo desastre afete a cidade de Belo Horizonte”, disse o vereador Irlan Melo, relator da CPI de Brumadinho na CMBH, que esteve na visita.

Procurada, a Fundação Estadual do Meio Ambiente disse que, a princípio, não tem projeto de construção do muro em Ouro Preto.

Barão de Cocais

A Vale também tem uma proposta para a construção de um muro de contenção em Barão de Cocais, onde a barragem Sul Superior corre o risco de se romper. Entretanto, o projeto está paralisado devido ao talude norte da mina que pode se desprender causando o rompimento da estrutura.

Não há nenhuma previsão para o desprendimento do talude. Na semana passada, a Vale chegou a dizer que ele ocorreria até o último domingo (25), o que não se confirmou. Desde então, novos prognósticos não foram divulgados. Segundo relatório mais recente da Agência Nacional de Mineração (ANM), divulgado na tarde desta terça (28), a velocidade da deformação na porção inferior do talude é de 20,4 centímetros do dia, com alguns pontos isolados alcançando 25,9 centímetros por dia.

 

Por  Portal Sete

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

%d blogueiros gostam disto: