Teatro Feluma recebe em agosto, Ilvio Amaral e Maurício Canguçu com a temporada da peça “Maio, antes que você me esqueça”

De 6 a 29 de agosto, o Teatro Feluma volta a receber o público de forma presencial na temporada da peça “Maio, antes que você me esqueça”, com os atores Ilvio Amaral e Maurício Canguçu, texto e direção de Jair Raso. As apresentações acontecem sempre às sextas e sábados, 21h, e domingos às 19h, seguindo todos os protocolos de segurança contra a Covid-19, estabelecidos pela Prefeitura de Belo Horizonte.

Para essa primeira temporada de uma produção mineira na capital, o Teatro Feluma estará com metade dos assentos disponíveis. Serão disponibilizados 200 lugares, devidamente distanciados dentro da sala de espetáculo. O público contará também, com totens com álcool em gel e sinalizadores no chão, para garantir uma distância segura durante a entrada e saída do local. Lembrando que o uso da máscara é obrigatório durante toda permanência dentro do teatro e nas áreas comuns a ele.

“MAIO, ANTES QUE VOCÊ ME ESQUEÇA” 

TEXTO E DIREÇÃO: Jair Raso 

Sinopse:
Ilvio Amaral e Maurício Canguçu contam a história de um filho que recebe a contragosto a tarefa de hospedar, em sua casa, seu pai, que sofre o mal de Alzheimer. A relação entre pai e filho sempre foi distante e conflituosa. “Maio” é um espetáculo divertido e emocionante que descortina a intimidade dessa relação.

Release:
Qual o lugar do afeto, numa relação entre pai e filho, onde pouco coube a intimidade ao longo dos anos? Quando sobra intransigência, falta espaço para o encontro. E nesse contexto as heranças familiares vão muito além da construção de histórias, lugares e bens materiais. O principal legado é o afeto. Uma doença que fragiliza a memória de uma vida é capaz de construir memórias afetivas entre o pai e o filho. Nesse espetáculo teatral, as memórias, lapsos, ressentimentos e descobertas tecem uma história, que nos lança numa sala, como testemunhas de um encontro dramático. É possível escrever de forma divertida e emocionante sobre um tema tão árduo.

Trilha sonora Cida Moreira, Em um berço tão dourado, (0,55s) Maria Betânia, Magnificat, de J.L. Battmann, (0,45s)

Por: Mayra Santos – Teatro Feluma

Foto: divulgação/Raquel Guerra

 

teatro