Profissionais da saúde são capacitados para o combate à Leishmaniose em Coronel Fabriciano

Divulgação

O foco principal é o diagnóstico precoce da doença, que em 2017 teve 44 notificações em Coronel Fabriciano

A Secretaria de Saúde de Coronel Fabriciano realiza, até 26 de fevereiro, a capacitação dos profissionais da rede pública de saúde sobre a Leishmaniose. Participam enfermeiros, técnicos, médicos e demais funcionários. O foco principal é o diagnóstico precoce da doença.

Em 2017, foram registradas 44 notificações, 15 casos foram confirmados e 29 descartados. Neste ano já foram realizadas 6 notificações do tipo Visceral, 3 confirmadas. A gerente de Vigilância em Saúde, Vânia Tavares, informa que é fundamental perceber os sintomas no cão ou animal próximo, e levá-lo ao setor de Endemias para certificar de que é portador do parasita. Em seguida, ficar atento aos sintomas da doença.

“É importante que os moradores fiquem atentos aos sintomas como febre intermitente com semanas de duração, fraqueza, perda de apetite, emagrecimento, anemia, palidez e diarreia além de outros, só assim deve ser feito o teste, pois nem sempre o cão com leishmaniose positivo transmite a doença para o dono”, conclui.

A enfermeira da Epidemiologia, Maria Cristina Braga junto a Infectologista Carmelinda Lobato e a Gerente de Vigilância em Saúde Vânia Tavares são as responsáveis pela capacitação.

Doença

A Leishmaniose Visceral é transmitida pela fêmea do mosquito palha, contaminada pelo parasita Leishmania chagasi. O mosquito se alimenta de sangue. Pode contaminar e levar ao óbito, humanos e animais, como cachorros, raposas, gambás e ratazanas. A Leishmaniose tem cura, o tratamento está disponível na rede de serviços do Sistema Único de Saúde (SUS).


Encontrou um erro? Comunique: [email protected]

Pesquisar