Moradores do Risoleta II estão há um mês sem água

O problema da falta de água nos blocos de prédios do Risoleta I e II do Bairro Tíjuco persiste desde o segundo semestre do ano passado. E, há quase dois meses, os moradores do bloco 3 do Risoleta II sofrem com a total falta de água.

moradores mostram problemas encontrados na bomba que abastece o residencial  Foto: Rodrigo da Silva / Divulgação

Moradores mostram problemas encontrados na bomba que abastece o residencial Foto: Rodrigo da Silva / Divulgação

“Só pego água na rua. Para tudo, alimentação, banho e limpeza. Meu marido tem problema de saúde e usa fralda e tenho que dar três banhos por dia nele. Estamos passando pelo maior sufoco”, relata a moradora do local Ana Eleonora Ladeira.

Ainda conforme Ana alguns moradores se uniram para colocar uma bomba em seus blocos. “Ela custa R$500 e não temos como arcar com essa despesa. O Damae tem que resolver o problema”, desabafa.

A moradora também explica que quando eles mudaram para o local, a cerca de três anos, falaram que o problema da água seria resolvido em um ano. “Até agora não temos uma solução. Quando nos mudamos falaram que ia dar assistência para todo mundo e agora que estamos lá, estamos esquecidos. Estamos como um lixo ali dentro”.

Outros moradores
Rodrigo Aparecido da Silva também é morador do Risoleta II e explica que a caixa d’água que abastece os dez blocos do seu conjunto também é responsável pela distribuição de outros cinco blocos do Risoleta I. Silva explica que no seu caso eles não estão totalmente sem água, mas que para encher um balde de 20 litros leva mais ou menos meia hora. “A água está goteirando. Essa bomba começou a dar defeito de um tempo para cá. Ela queimava, também tinha o problema de cano furado. A água não está normal já faz tempo e o Damae nunca nos deu uma resposta sobre essa questão”.

O morador também denuncia que no primeiro fim de semana de janeiro alguns moradores viram um vazamento em um cano que leva água para os prédios quando eles chegaram viram uma garrafa pet impedindo a passagem da água. “Inclusive os moradores fizeram um vídeo disso e postaram no grupo Risoleta I e II do facebook”.

Nesse mesmo grupo, em uma postagem do dia 7 de janeiro, moradores escrevem. “Falta de água? Damae? Que nada moradores descobrem sacolas dentro da tubulação que abastece o Risoleta!!! Sem contar as pedras que entopem os canos !!! Não tem como afirmar se foi proposital, mas que o fato não é normal haaaa mais isso não é !! Não sabem a origem da sacola, o que de fato poderia ter contaminado a água! Triste realidade da classe menos favorecidas! Precisamos unir forças e lutar pelo direito de todos!!!”

Indignação também exposta pelo filho de uma das moradoras do prédio, Anderson Henrique de Souza. Fomos orientados a colocar bomba mas sem pegar a rede. “Alguns blocos colocaram, outros não. Conversamos com um advogado e ele nos orientou que solicitássemos uma carta de anuência de responsabilidade, mas o Damae não quer fazer e fala que a responsabilidade é da construtora e a construtora fala que é da prefeitura. Ninguém assume a responsabilidade”, afirma.

Damae
De acordo com a assessoria do Departamento Autônomo Municipal de Água e Esgoto (Damae), no dia 11 de janeiro, eles estão estudando o problema, mas ainda não poderiam passar informações sobre o que seria feito e que, assim que tivessem um posicionamento, entrariam em contato. Até o fechamento dessa edição o departamento não deu retorno à reportagem.

Porém, no grupo do face tem um vídeo do vereador Jorge Hannas Salim Júnior (PDT), em que ele afirma que a prefeitura na próxima semana irá começar a construir uma base de uma caixa d’água mais elevada de 30 mil litros. Segundo o relato do vereador, a água não chega até os moradores porque a caixa está baixa e a água não tem pressão e que com essa nova obra essa realidade irá mudar.

Postado originalmente por: Gazeta de São João del Rei

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

%d blogueiros gostam disto: