Kalil quer apurar como torcida organizada entrou no Mineirão

Prefeito criticou o desrespeito aos protocolos sanitários

O prefeito de Belo Horizonte, Alexandre Kalil, criticou as cenas de desrespeito aos protocolos sanitários necessários ao combate à pandemia flagradas durante a partida entre Atlético e River Plate, na noite da última quarta-feira (18), em Belo Horizonte, na volta da torcida aos estádios na capital mineira. Em entrevista concedida à TV Globo, Kalil afirmou que “do jeito que foi, não vai ter mais”.

“Não tenho menor receio de voltar tudo pra trás. Estão enganados pensando que ‘porque é o Atlético ele não vai fazer nada’. Não vou fazer uma ova”, disparou. Kalil foi presidente do clube antes de se eleger prefeito de BH. “Se era o evento teste, não passou e não vai acontecer de novo se for nesse molde. Mas podemos aprimorar”, frisou.

Kalil afirmou que se sentiu pessoalmente ofendido ao ver que o que foi combinado entre os envolvidos não foi respeitado. “Foi um desrespeito com o prefeito de BH. O prefeito, burro que é, aceitou que eles iam cumprir”, lamentou. “Foi bom o resultado, meu coração é atleticano mas, quando vi essas cenas (de pessoas sem máscara aglomeradas ao redor e dentro do estádio), me desesperei”, ressaltou.

Kalil também revelou que já se comunicou com o secretário municipal de Saúde, Jackson Machado, para discutir o tema, mas não deu detalhes. Disse também que vai convocar o Cruzeiro, que espera poder contar com sua torcida em partida desta sexta-feira (20) pela Série B do Brasileirão, para uma conversa.

“A gente quer melhorar, ajudar, fazer tudo pra compensar, mas quem pode colaborar não colabora. Não foi isso que foi combinado”, argumentou. “Vi torcida organizada (no estádio), e, pelo preço, não poderia estar lá. Quero apurar isso”, argumentou.

Foto: Prefeitura de Belo Horizonte/divulgação

Eternos