Eleições 2018: Hora da decisão

Os brasileiros têm convivido há vários anos com a polarização da opinião. De um lado à esquerda com inúmeros candidatos à presidência da República no primeiro turno e no segundo turno com um representante, o petista Fernando Haddad, aliado do ex-presidente Lula. De outro a extrema direita, hoje representada pelo ex-deputado federal pelo Rio de Janeiro, o candidato Jair Messias Bolsonaro (PSL).

Com Slogan´s, O povo feliz de novo, do candidato Fernando Haddad, e Brasil acima de tudo, Deus acima de todos, do candidato Bolsonaro, os ânimos estão acirrados e muitas manifestações pro e contra os candidatos ocorrem em todo território nacional. Também foram registrados casos de agressões e até morte, acusações de ambos os lados, pessoas terminando amizades de anos, famílias divididas devido à divergência de opinião.

Diante de tal cenário e tantos questionamentos fica a seguinte pergunta: o eleitor conhece seu candidato e o concorrente?

Separamos algumas informações para ajudar o eleitor a compreender cada candidato, suas propostas e assim definir qual caminho seguir.

Fernando Haddad

 

Imagem: Ricardo Stuckert
 Imagem:  Ricardo Stuckert

Biografia

Fernando Haddad, 55, foi ministro da Educação no governo Lula de 2005 a 2013, ele deixou o cargo para se candidatar a vaga de prefeito da maior metrópole do país São Paulo, ao vencer a eleição ficou no cargo de 2013 a 2016.  É filho de um imigrante libanês Khalid Haddad e Norma Thereza Goussain Haddad, filha de libaneses e nascida no Brasil.  Nascido em 25 de janeiro de 1963, em São Paulo, entrou na vida pública ao se filiar ao Partido dos Trabalhadores (PT) e 1983.

Como estudante de Direito da USP, aprofundou seus conhecimentos, sobretudo os teóricos da Escola de Frankfurt, como Theodor Adorno, Max Horkheimer e Herbert Marcuse. Eleito presidente do Centro Acadêmico XI de Agosto em 1984 pela chapa chamada de ‘The Pravda’. Haddad ainda participou ativamente do movimento Diretas Já, que como o próprio nome diz, pedia eleições diretas para Presidente da República no Brasil.

Clique aqui e leia mais.

Plano de governo

Economia: Austeridade

Revogação do congelamento do gasto público e da flexibilização da legislação trabalhista, aprovadas pelo governo de Michel Temer.
Interromper as privatizações.
Redução da dívida graças ao “retorno do pleno emprego” e medidas contra a evasão fiscal.

Veja o plano de governo completo.

Jair Bolsonaro

 

 

Jair Messias Bolsonaro, 63, é  capitão do Exército brasileiro na reserva. Exerce seu sétimo mandato de deputado federal pelo estado do Rio de Janeiro. Bolsonaro, nasceu em Campinas, São Paulo, no dia 21 de março de 1955. Filho de Perci Geraldo Bolsonaro e de Olinda Bonturi, ambos descendentes de imigrantes italianos. Foi aluno da Escola Preparatória de Cadetes do Exército, de Campinas. Em 1977 formou-se na Academia Militar das Agulhas Negras, em Resende, Rio de Janeiro. Cursou a Brigada de Paraquedismo do Rio de Janeiro. Em 1983 formou-se no curso de Educação Física do Exército. Chegou à patente de Capitão.

Em 1986 liderou um protesto contra os baixos salários dos militares. Escreveu um artigo para uma revista de grande circulação no país, intitulado “O salário está baixo”.

Clique aqui e leia mais.

Plano de governo

Economia:  Privatizações

Redução da dívida pública em 20% mediante privatizações, concessões e venda de propriedades da União.
Criação de um sistema paralelo de aposentadoria por capitalização.
Criação de um “Superministério da Economia”, reunindo os atuais da Fazenda, Indústria e Planejamento. Podendo o ministério da Indústria ser mantido à parte.

Veja o plano de governo completo.

Em pesquisa de intenção de voto, publicada no Tribunal Superior Eleitoral pelo Data Folha, a pedido da Rede Globo. O levantamento foi realizado entre os dias 24 e 25 de outubro e tem a margem de erro de dois pontos porcentuais para mais e dois pontos porcentuais para menos. A pesquisa mostra o candidato Jair Bolsonaro caindo de 58 para 56% dos votos válidos, com a margem de erro entre 54 e 58% dos votos válidos, enquanto o candidato Fernando Haddad pulou de 42 para 44% dos votos válidos, com a margem de erro vária entre 42 e 46% dos votos válidos.

Fonte: G1

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

%d blogueiros gostam disto: