Agert condena hostilidade a jornalistas durante manifestações em Porto Alegre

Resultado de imagem para AGERT LOGO

 

A associação gaucha (AGERT)  condenou, nesta quarta-feira, a agressão de manifestantes pró-Lula a jornalistas durante a cobertura do julgamento do ex-presidente Lula no Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4).

Manifestantes a favor do ex-presidente que atacaram a imprensa. A repórter da Band do Rio Grande do Sul Fernanda Farias e sua equipe foram expulsos sob gritos de “golpistas”. Houve princípio de tumulto, mas não houve feridos. A cobertura, no entanto, não pôde ser realizada.

Em nota, a diretoria da AGERT  afirma que “Nada justifica a violência contra jornalistas que estão no exercício da profissão.”.

 

NOTA DE REPÚDIO

 

 

A Associação Gaúcha de Emissoras de Rádio e Televisão (AGERT) considera inadmissível que, mais uma vez, profissionais da imprensa tenham sido vítimas de hostilidades, intimidações e agressões durante cobertura jornalística.

 

Na tarde desta quarta-feira (24/01/18), em Porto Alegre, profissionais do Grupo Bandeirantes do Rio Grande do Sul, foram hostilizados e agredidos por manifestantes enquanto realizavam a cobertura do julgamento do ex-presidente Lula.

Horas antes, foram manifestantes a favor do ex-presidente que atacaram a imprensa. A repórter da Band do Rio Grande do Sul Fernanda Farias e sua equipe foram expulsos sob gritos de “golpistas”. Houve princípio de tumulto, mas não houve feridos. A cobertura, no entanto, não pôde ser realizada.

 

Nada justifica a violência contra jornalistas que estão no exercício da profissão. A imprensa tem o dever de informar sobre os fatos de interesse da população, direito inalienável do público e essencial ao Estado Democrático de Direito.

 

Qualquer ato de violência ou que tente impedir o trabalho da imprensa é uma agressão à liberdade de expressão e tem o repúdio da AGERT.

 

 

Roberto Cervo

Presidente

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

%d blogueiros gostam disto: