Acusada de armar emboscada para matar taxista é condenada a 3 anos e 6 meses em regime aberto

Lorrane Francine Aniceto, acusada de armar uma emboscada para o ex-companheiro, Gustavo Henrique Silva Ferreira, e matar o taxista Adamar Rosa da Silva, foi  condenada a 3 anos e 6 meses em regime aberto,  em julgamento que ocorreu na tarde dessa segunda-feira (24), no salão de júri do Fórum Olympio Borges. Ao final do julgamento, houve a desclassificação do crime de tentativa de homicídio para lesão corporal.

O crime aconteceu no dia 19 de maio de 2018, na Rua Mata dos Fernandes, Bairro Vila Garcia. De acordo com os autos do Ministério Público, enquanto Gustavo Henrique estava preso no presídio Sebastião Satiro, o mesmo desconfiou que o taxista tinha relacionamento amoroso com a sua ex-companheira.

Depois de sair do presídio, Gustavo resolveu se vingar e solicitou a ajuda de Lorrane Francine que enviou uma mensagem para o taxista, dizendo que queria se relacionar com ele, mas que antes teria que levar um casal de amigos a um bar, enquanto, na verdade, era uma emboscada.

Ao chegar ao local indicado, Gustavo entrou no carro e depois, durante o percurso, na Rua da Mata  dos Fernandes, pediu para parar o carro. Ao descer, Gustavo foi até a janela e desferiu alguns disparos de arma contra o taxista.

Ainda sobre o julgamento, o advogado de defesa, Dr. Tiago Alves, disse que houve falhas nas investigações e na prisão da acusada, inclusive que essas falhas interferiram muito no tempo (1 ano e 4 meses) da prisão da acusada.

Sobre o resultado, Lorrane Francine Aniceto estava sendo acusada de tentativa de homicídio, porém o crime foi desclassificado para lesão corporal, sendo condenada a 3 anos e 6 meses no regime aberto. Dr. Tiago Lima disse ainda que vai recorrer da sentença.

Postado originalmente por: Clube Notícia – Patos de Minas

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

%d blogueiros gostam disto: